Inverno literário em Porto Alegre

Este é meu primeiro inverno em Porto Alegre após uma temporada de 5 anos a trabalho em Belém do Pará. Mas minha presença aqui tem ares mais de primavera, com um desabrochar da criatividade que estava adormecida pelo período em que fui Oficial de Relações Públicas da Força Aérea Brasileira. O processo de criação militar busca a previsibilidade, enquanto o que eu ansiava eram as diversas possibilidades ao deixar a mente fluir.

E que sorte estar em Porto Alegre nesse inverno! Somente em julho, participei da Oficina de Escrita Criativa - Escritas de Inverno e de eventos do 9º Festival de Inverno de Porto Alegre. Tem sido um reencontro com a cidade e comigo poder vivenciar esse inverno de ondas de frio, atípico para os gaúchos, atípico para mim.

A oficina Escritas de Inverno foi ministrada pela linguista e escritora Lú Urbim no dia 22 de julho (sábado) na Casa Baka, espaço cultural na Cidade Baixa. Através do ensaio "A estética do frio" de Vitor Ramil, de técnicas de sinestesia e de memória produzimos textos sobre o viver o inverno gaúcho. Os participantes puderam fazer ponderações sobre os textos escritos, três no total, e contaram com a contribuição sempre presente da Lú, de forma que vivi uma tarde de inverno digna de um chimarrão com bergamota! Nesse dia tive o prazer de finalmente conhecer a Nine Copetti (@ninecopetti), gaúcha que mantém blog e perfil no Instagram que nos leva a passear pelas suas leituras e pelos seus passos, principalmente na capital, e que por isso me deixava muito saudosista quando eu residia no Norte. Finalizamos o dia no Café República, um "cantinho da Nine" que recomendo a todos.

O 9º Festival de Inverno foi outra grata surpresa do meu retorno à capital, pois estava interrompido há 3 anos. Com programação de cursos e eventos que destacaram a produção regional, autores latino-americanos e escritoras mulheres, o festival trouxe para a capital o fervor literário que o país vive com a Festa Literária Internacional de Paraty (Flip 2017) e também levantou a importância da formação de leitores nesse período de desmonte da educação pública que vivemos.

Daniel Galera e Michel Laub

Participei de dois encontros do curso Escritores Gaúchos em Ação. Na terça-feira (25/07) acompanhei o bate-papo entre os escritores gaúchos Daniel Galera e Michel Laub. A obra do Daniel sempre me arremata para locais e momentos que me dão a impressão de, se não os vivi, fui testemunha ocular. Me senti assim no retorno ao Rio Grande do Sul no ano passado (para Imbé, por isso digo que esse é meu primeiro inverno porto-alegrense) quando comprei na Feira do Livro o "Meia Noite e Vinte" e ali estava a vizinhança fabicana, histórias tão semelhantes a de amigos meus, tudo tão contemporâneo. O Michel Laub entrou na minha lista de leitura agora, estou muito curiosa para ler "A queda" e suas outras obras.. Foi dele a fala que me marcou no encontro, ao responder àquela pergunta que todo escritor deve receber "qual o conselho que vocês gostariam de ter recebido de um escritor no início da carreira de vocês": fazer uma boa oficina de criação literária. Desde que decidi ir além de ler despretensiosamente e buscar estudo na área de Letras e Literatura, tenho pesquisado cursos e eventos e felizmente Porto Alegre está repleta de eventos na área.
Júlia Dantas e Moema Vilela

O outro encontro desse curso de que participei foi com as escritoras Júlia Dantas e Moema Vilela, que ocorreu na sexta-feira e foi muito mais interessante do que a noite na Cidade Baixa. Nesse encontro, as trocas, através da obra de cada uma, fluíram entre a escrita e as vivências de cada uma com a cidade. Me identifiquei com os relatos sobre sair de Porto Alegre (ou não ser da cidade, como no caso da mato-grossense Moema) e a viver sob um novo olhar, talvez do turista, talvez de alguém que retornou com novas vivências. Ser editor e publicar seu livro também foi um assunto em pauta e que é recorrente, já que felizmente hoje não há uma dependência tão limitante de grandes editoras para levar seu livro ao conhecimento do público. A conversa entre elas fluiu tanto que arrisco dizer que ninguém na plateia sentiu o tempo passar. Ao final do encontro aproveitei para pedir dicas de cursos e eventos e aproveito para divulgar que no dia 4 de agosto, na Aldeia (Rua Santana 252) às 19h, a Moema lança o "Guernica", obra com capítulos que podem ser lidos em ordem diferente. Inclusive ela nos mostrou o projeto inicial do livro, com brochuras separadas em que você poderia ir reorganizando os capítulos, uma pena que financeiramente ficou inviável.
Subindo pelo elevado da Av. Borges de Medeiros
No sábado (29/07), participei pela manhã do Passeio Literário por Porto Alegre, conduzido pelos professores Luis Augusto Fischer e Glênio Bohrer. Iniciamos em frente ao Cine Capitólio e percorremos o centro de Porto Alegre através da Borges de Medeiros, atravessando a Av. Duque de Caxias, a Rua da Praia (Rua dos Andradas para as placas), encerrando no Chalé da Praça XV. Por diversas vezes os participantes falavam baixinho entre si "queria um passeio assim quando estava na escola". Eu observava as pessoas passando depressa por nós enquanto escutávamos o professo Fischer ler algum trecho de livro e me via nelas, andando rápido pelo centro sem saber o quanto essas ruas guardam de história e foram inspiração para palavras desde as belas até as mais pungentes para traduzir tantos sentimentos que Porto Alegre já aguçou em quem viveu na cidade. Espero que esse passeio se torne perene na programação da capital para que, a vendo pelas palavras dos que já foram ou que aqui permanecem, quem sabe passemos a respeitá-la e vê-la como a poesia que a capital dos gaúchos é.
Mulheres tomam conta da Biblioteca Pública Municipal Josué Guimarães

Encerrei minha participação no festival no encontro #LeiaMulheres, movimento mundial que felizmente foi abraçado por várias cidades no Brasil. O livro da vez era "Olhos D'água" da mineira Conceição Evaristo. Eu não o havia lido, mas a discussão em torno do livro tinha tanta propriedade, trocas de impressões e empatia entre as participantes que me vi participando das reflexões como se pertencesse ao grupo há anos. O próximo livro será "O Conto da Aia" de Margareth Atwood, que por coincidência (embora acredite mais em sincronia) é o que leio no momento.

Textão de domingo direto para vocês, repleto de dicas de leitura, conselhos, autores e eventos que aqueceram Porto Alegre. Eu retornei dessa semana com um caderno repleto de dever de casa, ótimo para o blog que vai ter muito conteúdo!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Para viver um cotidiano distante como se cidadão local fosse

Para não ficar só com os seus pensamentos